Arquivo da Categoria ‘Pequenas Histórias’

 

Pequenas Histórias

Alguns já conhecem o meu site, O Pequeno Leitor, um site de incentivo a leitura com muitas histórias para ler e escutar, além de atividades que estimulam as crianças nesse universo letrado, tão importante para que elas possam expandir a compreensão do mundo a sua volta e se expressarem cada vez mais e melhor.

Para quem ainda não conhece, existe uma área no site chamada Crie , onde disponibilizo temas  já com a narrativa visual para que as crianças possam escolher e criar suas próprias historinhas em cima das ilustrações disponíveis. Após as narrativas serem criadas, elas são publicadas no próprio site em uma área de História dos Pequenos Leitores.

Um dos meus pequenos e mais antigos leitores,  quis ele mesmo criar sua própria narrativa, desenhando as  ilustrações a próprio punho. Ele entrou em contato comigo por e-mail, querendo posta-las no site. Infelizmente só é possível publicar no O Pequeno Leitor, as histórias que estão dentro da nossa ferramenta da área de Crie.

Fiquei tão feliz pela iniciativa do Davi, que quis abrir um espaço aqui no Blog para que ele pudesse se expressar 100% a sua maneira, já que dessa forma não é possível no site.

São 3 as histórias criadas e confesso ter ficado bastante impressionada pelo crescimento do Davi, desde que o acompanho no

O Pequeno Leitor, e igualmente orgulhosa pelo interesse dele neste universo tão rico.

Segue abaixo algumas de suas criações:

Parabéns Davi pelo seu lindo trabalho.

 

Família


Pra quem ainda não conhece o site O Pequeno Leitor, entrou uma nova história chamada Família, que conta um pouquinho das confusões que 3 irmãos fazem dentro de casa, deixando malucos a mãe, o pai, o vizinho, a tia, o cachorro e até o gato!

http://www.opequenoleitor.com.br/historias/familia

 

A Escuridão

A Escuridão, é uma historinha criada por Teca, uma pequena leitora do site O Pequeno Leitor.
Ela escreve sobre um índio que descobre a fonte da luz, trazendo alegria e magia para toda a sua aldeia.
quem quiser conferir, aí vai o endereço:

http://www.opequenoleitor.com.br/historias/a-escuridao

Para mamães que tem em casa pequenos leitores e escritores, O Pequeno Leitor oferece muitas historinhas para ler e ouvir, um canto onde a criança guarda toda as coleções de livros, palavras e Tranqueiras que ela vai ganhando ao longo da brincadeira e ainda uma área para criação de história dos próprios pequenos, que depois, serão publicadas no site.
Esta é uma ótima maneira de despertar na criançada o gosto pela leitura e pela escrita.

 

O Pummmm Diabólico Vermelho

Hoje a dica que eu quero dar vem do meu site, O Pequeno Leitor: uma historinha super bem humorada escrita por Zigue, um pequeno leitor.
O site oferece vários temas e as crianças criam em cima das imagens propostas.
Depois, estas histórias são publicadas no site para todo mundo ler. E este é o maior incentivo pros pequenos que vibram com suas própiras histórias e ainda tem muito orgulho em indicá-las aos amigos.
A historinha que Zigue escreveu faz parte do tema Lendas e Folclore.
E é muito engraçado o encontro entre Chapeuzinho Vermelho e Saci Pererê.
Dei muita risada quando moderei esta história antes de publica-la no site e meu filho de 8 anos também adorou.
Vale a pena conferir aonde foi a imaginação deste pequeno:

http://www.opequenoleitor.com.br/historias/o-pummmmmm-diabolico-vermelho

 

Um Diário do Dr. Pinguin Antartida

Semana passada coloquei um post sobre um livro que meu filho trouxe da escola:
“Lobinho na Escola de Enganação”.
Eu havia comentado que estávamos lendo todas as noites com empolgação e que a história é contada através das cartas que o lobinho escrevia para seus pais, com passo-a-passo das suas aventuras até chegar na Floresta Assustadora e encontrar seu tio, o Lobão do Mal, com quem ia teraulas sobre o mau caratismo.
O tipo de narrativa, como um diário de viagem, prendeu bastante a atenção do Gabo e o estimulou a criar uma história também nesse formato.
Sua história se chama “Um Diário do Dr. Pinguin” e é sobre um Pinguim se correspondendo com o próprio Gabo.
Segue abaixo os capítulos do jeito que ele já escreveu, mas ele me avisou que a história ainda vai continuar …

“Oi eu sou o Dr. Pinguim e meu dono me mandou pra ANTARTIDA
e eu não tenho nada pra fazer
CHIIU!! é porque eu faso muita bagunsa
já tou 2 meses aqui e eu quero volta
bom esse é um diário e tento dar cartas para o Gabo”

“2 meses depois
Caro, Gabo,
Estou aqui ja 3 meses e o sinal não pega do meu black berry
e eu quero peixe
responda e traga um peixe na carta.
aaaa!!! fiz um desenho de mim mesmo
tá daóra não tá?
bjs
Dr. Pinguim”

“Caro Gabo, eu já disse que não sou santista!!! ( desenho da baleia simbolo do santos )
hoje voce não vai acreditar!
eu estava andando perto da margem e uma baleia orca queria … ãn? … éé …! sei lá o que ela queria, mas já falei umas 1000 vezes Flap Flap que eu não sou santista
eu sou flamenguista
por favor me deixa voutar!!!”

” Caro Gabo
hoje tava sol pra caramba
e eu peguei minha camisa do flamengo
e fiz amizade com um urso polar,
e brinquei com ele de quem deslisa mais
e ganhei todas as vezes”

Não sei como termina a correspondência dos dois, mas em breve colocarei os próximos capítulos.
Na realidade, o Gabriel adora desenhar, está sempre com um lápis e papel na mão criando alguma coisa. Muitas vezes seus desenhos já contam uma história e muitas vezes ele faz questão de escrever uma histórias pros seus personagem, mas achei muito bacana que essa especificamente, foi criada a partir de um livro que ele gostou e quis se apropriar daquela linguagem para se expressar.
Percebo na prática, o quanto a leitura é estimulante para a imaginação dos pequenos e é um instrumento que permite a sensibilização da consciência e a expansão da capacidade de compreensão da vida.
Sou super a favor desses estímulos e fico feliz cada vez que percebo que o bloco de desenhos do meu filho está no fim e que os lápis grafite e de cor estão ficando cada vez menores de tanto ele dar vida a sua imaginação.

 

O Professor Arrependido 7

“O Professor Arrependido 7

Certo dia o Profesor Arependido voutou au normal e voltou para a escola de magia e foi ensinar no 3º ano.
Mais a classe dele era a mais atrevida da escola.
No outro dia ele foi encina-los e disse:
- Hoje nos vamos aprender a transformar coisas.
- Nos apontamos para oque nos quisermos e disemos:
- quero que você vire.
- e digam oque vocêis quiserem.
E todos disseram ao mesmo tempo:
- Quero que voce vire um dragão
bom nem presiso diser olhe e vera
- Que dro…
E o outro aluno continuou:
- ga de aluno!”

Depois de muito tempo, O Professor Arrependido, do meu querido amigo Lucas Kenzo, voltou a ativa.
Só que nem o tempo fez o professor melhorar suas magias. Como sempre, tudo dá errado no final da historinha. O lado bom é que o professor se arrepende, mas continua insistindo.
Ao menos, sabemos que ele não desiste de lutar por aquilo em que acredita: na magia.
Só nos resta esperar pra ver se em algum momento o talzinho atrapalhado vai conseguir desfazer essa maldição que o persegue a cada vez que ele se aventura com sua varinha.
Desta vez, são seus alunos que aprontam.
Nessas 7 historinhas percebemos que o feitiço sempre vira contra o feiticeiro.

Lucas, adorei que você escreveu novamente mais uma história para mim.
Adoro colocar seus desenhos aqui no meu blog, porque eles enchem esse espaço de muita cor e alegria.
Um beijo grande.

 

A Rua

Reecebi da Amanda, uma garota de 10 anos e cheia de inspiração, o poema ” A Rua”.
Como Amanda gosta mais de escrever do que desenhar, pedi ao meu filho Gabriel, que fizesse a ilustração destes versos, com a permissão de Amanda, é claro. O resultado da parceria ficou muito bacana.
Como o Gabriel não conhece Amanda, ele se preocupou em ilustrar a história com o olhar dele, com aquilo que ele sentiu do poema. A visão dele foi mais voltada pra parte alegre da história.
Achei bastante tocante perceber no final desse poema, como ele é carregado de sentimentos e significados para Amanda.
A escrita pode se tornar uma paixão para alguns, justamente porque através dela, podemos colocar todos os nossos desejos, tristezas e fantasias para fora. É um jeito de não calar o sentimento.
Aquele pedaço de papel em branco, pode dar espaço a toda a imaginação da criança.
É o lugar onde cabem os sonhos e ao mesmo tempo a realidade.
Pode ser pura fixão, pode ser pura realidade ou pode ser uma pitadinha dos dois mundos.
Abaixo segue o poema pra vocês conferirem.

A Rua

“Em uma rua não há muita coisa
mas há uma rua que existe mas
Quando se fala nela ninguém mas acredita
Nessa rua há:
Crianças de todos os tipos
E muito felizes com a vida
Há plantas de chocolate
Grades de algodão doce
Árvores feitas de todos os tipos de doces
Há princesas e príncipes
Rainhas e reis
Plebeus
Gatos e cachorros
Mas em toda rua
Há sempre alguém para estragar
Nossa felicidade
Na maioria
Há velhas chatas
E resmungonas
mas nesta há
Bem piores
Há bruxas
Madrastas
Gatos pretos
E feitiçaria
Que todas as vezes
Que você
Prega
Algum mal
Há uma bruxa
Ou madrasta
Você era enfeitiçado e virava
Servos delas
Ou morria
Mas em vez em nunca
Isso acontecia
Porque
Lá também
Existia
Fadas madrinhas
Resumindo
Padrinhos mágicos
E há também
Velhinhas
Boazinhas
Que todo
Domingo distribuia
Docinhos para as crianças
Bom é isso,se você acreditou em tudo isso, é só minha imaginação
Digo isso, para acabar minha tristeza, mas na verdade
Na rua onde moro
É uma rua comum e muito chata

Por isso, quem mora em ruas como a minha
Esqueça o problema
E tenha imaginação que tudo ficará bem melhor
Como eu
Então
Um milhão de beijos para todas as crianças do Brasil

Amanda Freitas, 10 anos

Amanda, que você continue colocando todos os seus sentimentos para escrever cada vez mais histórias e poemas lindos como esse.
Obrigada e mande quantos outros você quiser, tá?
Um beijo.

 

As Aventuras de Kenzo


Nosso famoso escritor Lucas Kenzo, autor da série Professor Arrependido, virou agora o protagonista de uma historinha escrita por uma grande fã dele.
Recebi da Cacá, uma pequena que conheço muito bem e que é muito querida por mim, uma entre várias peripécias que o Kenzo anda aprontando nas suas histórias.
As Aventuras de Kenzo é uma série onde o inventor é o papai, seu irmão Edu e Cacá, é claro.
Essas aventuras são contatas pelo papai sempre na hora de dormir. Todos os dias, Edu e Cacá esperam pelas cenas dos próximos capítulos. E pronto, logo essas aventuras criaram vida na imaginação de Cacá e viraram histórias e mais histórias registradas e ilustradas por esta mais nova escritora, com muita dedicação.
Vou mostrar aqui a histórinha do Hot Cujá.

“Numa quarta-feira uma família derrubou suco de maracujá no hot dog
e um menino chamado Claus quis enventar um restaurante que chama-se Hot Cujá
o unico lugar que vendia hot dog com maracujá e numa tarde de sol seu amigo Lucas kenzo,
Antonio Nunes, Fugironacombe e Mija que pediram sushi
Claus disse: não temos suxi so temos hot dog com maracuja.
Lucas Kenzo disse: ta bom então eles comeram o melhor hot dog da alemanha onde Claus mora.”

Cacá, adorei receber As Aventuras de Kenzo aqui no blog. Fiquei muito feliz por você escrevê-la e gostaria muito de te pedir duas coisas: não pare de escrever e criar cada vez mais histórias, porque você é muito talentosa, escreve muito bem e seus desenhos são lindos.
A outra coisa, é que eu adoraria publicar mais aventuras do Kenzo.
Quando você quiser, pode me mandar, tá?
Parabéns!
Um beijo grande.

 

As Bezerrinhas e o Lobo Colorido

Já falei várias vezes aqui no blog e em algumas matérias que eu já escrevi, sobre a importância dos pais na formação literária dos filhos e no poder que este estímulo tem no desenvolvimento intelectual dos pequenos.
Por isso, queria mostrar uma historinha linda que recebi semana passada e que é fruto desse estímulo: As Bezerrinhas e o Lobo Colorido . Ela foi feita a 4 mãos. Muito trabalho pra mãe e filha, mas o resultado valeu cada segundo de todo o esforço.
Isa, de 5 anos, e sua mãe, Aline, criaram juntas essa maravilhosa narrativa. Na realidade, a mamãe mais orientou e editou e a pequena foi a responsável por praticamente tudo. Dos desenhos ao texto.
Fiquei literalmente encantada em ver uma garota de 5 anos com tanto empenho e criatividade.

As Bezzerrinhas e o Lobo Colorido, conta a história de 3 bezerrinhas que resolveram ir para a floresta brincar de 3 porquinhos. O problema é que de repente o inesperado acontece. O lobo mal aparece por ali de verdade, mas as 3 espertas bezerrinhas logo deram um jeito no talzinho mal intencionado. Não quero contar o final, porque vale a pena entrar no link pra saber como a historinha termina. A imaginação dessa pequena escritora não só me surpreendeu como me encantou.

Vale a pena ler do começo ao fim:
http://issuu.com/alineangeli/docs/asbezerrinhas

Parabéns Isa pela sua iniciativa junto com a mamãe. Espero que você continue escrevendo cada vez mais historinhas como esta. Tanta dedicação só podia ter se transformado nesse livro lindo, com ilustrações tão alegres e coloridas. Já virei grande fã sua. Pode me escrever sempre que quiser. Você já tem um lugarzinho reservado aqui no blog para publicar suas histórias.

Parabéns também Aline pelo incentivo que você dá a sua filhota.
Um beijo grande para as duas.

 

Planeta Colorido

Cheguei em casa outro dia, no meio da aula de desenho do meu filho e como sempre, fui xeretar o que ele e o professor estavam aprontando. Aí, o Novaes, o professor, me mostrou esse desenho e começou a me contar a história que eles criaram enquanto desenhavam.
O processo deles é utilizar o mesmo papel e fazer ali naquela única folha uma história a 4 mãos.
Cada um é responsável por desenhar uma parte da história e interferir no desenho do outro quando os personagens interagem entre si. Conforme inventam as coisas, automaticamente vão acrescentando no desenho os elementos novos que aparecem, ou apagando aqueles que sumiram da história no meio do caminho. Por isso, muitas vezes os desenhos ficam super apagados ou super rabiscado …
Amei o que eu ouvi e perguntei se eu mesma poderia colocar em palavras aquela história toda que eles só ilustraram, mas não escreveram.
Claro que eles deixaram e eu fiquei muito contente. A seguir vou contar o processo todo da imaginação deles e como foi surgindo a história, segundo o próprio professor que me escreveu o seguinte:

” Eu falei que ia desenhar um planeta e comecei a
fazer no meu papel, mas o Gabo pediu pra que eu fizesse na mesma folha, então começamos cada um
a fazer o seu! Só que ele disse que o dele seria colorido, e eu falei que o meu era P/B, mas que eles tinham visto pelo telescópioo o dele colorido e os habitantes muito felizes, e os meus sérios ficaram maravilhados,
tanto que quiseram saber como fazer cor! Mas os do planeta dele ficaram com
medo de que os meus quisessem invadi-los, e não aceitavam contato nenhum!
Os meus gesticulavam, gritavam, jogaram um celular ( ah sim, porque o Gabo disse
que os meus eram P/B mas tinham tecnologia, e os dele eram felizes e coloridos sem tecnologia…),
mas eles não sabiam o que era celular, e o celular ficou perdido no espaço!
Tentei fazer uma ponte, mas de madrugada os dele serraram a ponte! Como a minha
insistência era tanta, os dele resolveram jogar uma bolinha amarela pros meus, e foi
a maravilha das maravilhas, os meus babaram na cor da bolinha! Era a primeira vez que eles
viam uma cor de perto!! Aí o deles mandou um taco de basebol azul!!! Nossaaa!!! Foi uma
sensação!! Um dos meus então, devolveu a bolinha amarela pros dele, usando o taco
azul, e riu da proeza….Aí o Gabo falou: êi, ele ficou colorido!!! E pintou o meu habitante!!
Achei genial a solução dele!! Então continuei dizendo que o rei dos meus riu do cara que
ficou colorido, e, claro, ficou colorido tb!! Aí o conselheiro do rei, riu do rei, e assim por diante!!
Quando todos ficaram coloridos, o planeta começou a ficar colorido!
Só não sei, porque não terminamos, é se os dois planetas ficaram amigos! Uma das idéias do
Gabo é que eles ….”

Eles não me contaram o final da história!!! Bom, ao menos eles me pediram pra reescrever essa história.
E é o que eu vou fazer, mas o bacana do processo todo é que o desenho vai se transformando conforme eles vão criando. O telescópio, a ponte, o celular, a bolinha amarela, taco de basebol, todos esses elementos, não começaram na história e conforme a imaginação deles vai caminhando, esses detalhes vão sendo inseridos no desenho. Assim como as cores foram surgindo uma a uma nos habitantes P/B conforme a brincadeira com o taco ia acontecendo.
Para mim, esse é um dos processos mais ricos de se observar e extremamente inspirador!
Aguardem. Espero em breve escrever e colocar esta história no O Pequeno Leitor com os devidos créditos.