Arquivo da Categoria ‘Projeto Social’

 

Despedida

 

” Stela, eu te amo muito e nunca vou te esquecer te adoro”

Quarta feira foi o último dia do trabalho social de incentivo a leitura  que eu desenvolvo na Comunidade do Bom Jesus, no Jaguaré. Foram 2 anos de dedicação, entrega e carinho de ambas as partes. Como já citei aqui, eu criava histórias com as crianças. Eu escrevia o começo, depois íamos construindo juntos cada pedacinho até o final , onde inclusive, os próprios alunos ilustravam as histórias. A parte de maior euforia era a hora de representa-las para o restante da classe que não fazia parte do grupo.

Cada um com a sua fantasia, vivia com intensidade aquele personagem que sempre fez parte de um sonho, mas nesse dia os sonhos eram todos reais e a sala se enchia de príncipes, bruxos e princesas. Vivenciei na prática a experiência de vê-los se identificarem e transportarem para o mundo real, tudo o que antes fazia parte só da imaginação, do mundo simbólico. Todos os sentimentos estavam lá, sendo vividos de coração  e incorporados por cada um. Realmente foram momentos mágicos para eles e para mim também.

O que me surpreendeu de verdade neste últmo dia, foi o que cada criança desenhou e escreveu para mim. Fiquei tão tocada e emocionada que resolvi publicar aqui todos eles, transcrevendo e respeitando  exatamente cada palavrinha do jeito que foi escrita.

” Stela, você foi que ajudo a ter ideia. Eu te agradeso muito. eu vou sentir fauta. me prometi que quando você ter tempo vim aqui, Muito obricado por me ajuda a consegi fazer historias. Um beijo. Eu não vou te esqueser.” 

” Aminha professora ela é muito legau e ela fais teatro com nois e ela deixo uma leibrasa ( lembrança ) para nois seja feliz.  Eu te amo”

” Stela, obrigado por você estar aqui sempre preparando algo para nós aprender cada vez mais a escrever uma história. Lembrança “

” Stela voçe é um anjo”

” Stela você foi a professora mais que eu gostei, te amo um montão! Beijão Te amo”

Infelizmente, agora precisei parar este trabalho para me focar exclusivamente em outro projeto, que aliás nasceu deste trabalho social:  o site O Pequeno Leitor, com histórias, poemas, brincadeiras e outras coisas que vão estimular exclusivamente a leitura das crianças. O lançamento será em breve.

A todos os que foram meus alunos nestes 2 anos, um grande beijo e muita saudades!

 

Nova História

 

Como já contei aqui uma vez, faço um trabalho social de incentivo a leitura no Jaguaré para crianças de 6 e 11 anos. Faz parte desse processo, criar histórias junto com meus alunos, onde eu dou o começo e daí pra frente vamos construindo o restante todos juntos. Discuto a idéia de cada um, analiso o que faz mais sentido dentro da história e asim de pouquinho cada um deles coloca ali um pedacinho das suas fantasias. O final sempre reflete o desejo deles com relação a vida, aos sonhos …

Feito isso, volto pra casa e coloco todas aquelas idéias numa narrativa que dê sequência a história que eu comecei. Quando volto na semana seguinte, eles escutam super ansiosos o resultado e cada criança escolhe uma passagem para ilustrar. Depois, ensaimos para representar na classe o que foi feito. Essa é a parte da emoção, das discussões de quem será a princesa, o monstro ou o bruxo. E aí vou percebendo um pouquinho do desejo de cada um.

É realmente muito bacana perceber o orgulho deles em levar a história para mostrarem ao pais. Vai aí anexado para quem quiser ler:  O Portal de Monte Mor

 

Muita história pra contar

 O segundo passo do trabalho social que eu desenvolvo no Jaguaré tem o objetivo de estimular a produção de histórias criadas pelas próprias crianças. Percebi que fazer com que cada um escrevesse sua própria história seria exigir demais das crianças, já que elas tem idades diferentes, portanto, dificuldades diferentes também.

No primeiro ano, enquanto era só leitura, eu trabalhava com 33 crianças. Neste segundo ano, como o trabalho seria mais focado na criação de histórias, tive que restringir o número de alunos e resolvi trabalhar com 10 crianças: 5 meninas e 5 meninos.

Funciona da seguinte forma: eu escrevo o começo de uma história e paro num momento chave onde ela poderia se desenrolar de várias maneiras. Daí em diante cada criança vai dando uma idéia, eu vou anotando tudo e  ajudando a conduzir o raciocínio delas  para que a história não se perca. Depois coloco tudo o que eles criaram numa narrativa. Na semana seguinte levo a história pronta, leio e eles começam ensaiar a peça pra mostrar pro resto da classe. 

Às vezes trabalho com todas as crianças e às vezes separo os meninos das meninas, porque saem histórias bem diferentes. O resultado final é sempre de muito orgulho da parte deles e da minha também. 

A idéia é mudar o grupo a cada semestre, porque as outras crianças que participam indiretamente assistindo, também querem a oportunidade de ter o que contar. Isso já é um sinal bem positivo.

Vou colocar aqui uma das histórias que os meninos criaram e também uma foto deles.

O Sucessor de Castel Rock

 

Quando tudo começou

O trabalho que faço de incentivo a leitura no Bom Jesus há 2 anos, começou com uma incerteza se eu daria conta dos meus objetivos lá: estimular o imaginário das crianças através da narração de histórias, oferecendo a oportunidade delas vivenciarem no plano da representação simbólica, o sonho, os medos, a fantasia e o prazer próprios da narrativa ficiconal. Com isso elas poderiam se apropriar da linguagem oral para, num segundo passo,  serem despertadas pelo interesse da leitura e da escrita, criando inclusive suas próprias histórias.

No começo eu  lia histórias e em seguida fazia  atividades que trabalhassem a percepção, criatividade e imaginação de cada uma relacionadas ao que eu havia contado.  Elas criavam monstros e todo tipo de personagens que lhes vinham a cabeça, de acordo com a atividade proposta.

Alguns meses depois foram suficientes para eu criar um vínculo forte com meus alunos e deixar de ter incertezas quanto aos meus propósitos lá.

Esse foi o comecinho de uma longa história.