2 de junho de 2011

A Rua

Reecebi da Amanda, uma garota de 10 anos e cheia de inspiração, o poema ” A Rua”.
Como Amanda gosta mais de escrever do que desenhar, pedi ao meu filho Gabriel, que fizesse a ilustração destes versos, com a permissão de Amanda, é claro. O resultado da parceria ficou muito bacana.
Como o Gabriel não conhece Amanda, ele se preocupou em ilustrar a história com o olhar dele, com aquilo que ele sentiu do poema. A visão dele foi mais voltada pra parte alegre da história.
Achei bastante tocante perceber no final desse poema, como ele é carregado de sentimentos e significados para Amanda.
A escrita pode se tornar uma paixão para alguns, justamente porque através dela, podemos colocar todos os nossos desejos, tristezas e fantasias para fora. É um jeito de não calar o sentimento.
Aquele pedaço de papel em branco, pode dar espaço a toda a imaginação da criança.
É o lugar onde cabem os sonhos e ao mesmo tempo a realidade.
Pode ser pura fixão, pode ser pura realidade ou pode ser uma pitadinha dos dois mundos.
Abaixo segue o poema pra vocês conferirem.

A Rua

“Em uma rua não há muita coisa
mas há uma rua que existe mas
Quando se fala nela ninguém mas acredita
Nessa rua há:
Crianças de todos os tipos
E muito felizes com a vida
Há plantas de chocolate
Grades de algodão doce
Árvores feitas de todos os tipos de doces
Há princesas e príncipes
Rainhas e reis
Plebeus
Gatos e cachorros
Mas em toda rua
Há sempre alguém para estragar
Nossa felicidade
Na maioria
Há velhas chatas
E resmungonas
mas nesta há
Bem piores
Há bruxas
Madrastas
Gatos pretos
E feitiçaria
Que todas as vezes
Que você
Prega
Algum mal
Há uma bruxa
Ou madrasta
Você era enfeitiçado e virava
Servos delas
Ou morria
Mas em vez em nunca
Isso acontecia
Porque
Lá também
Existia
Fadas madrinhas
Resumindo
Padrinhos mágicos
E há também
Velhinhas
Boazinhas
Que todo
Domingo distribuia
Docinhos para as crianças
Bom é isso,se você acreditou em tudo isso, é só minha imaginação
Digo isso, para acabar minha tristeza, mas na verdade
Na rua onde moro
É uma rua comum e muito chata

Por isso, quem mora em ruas como a minha
Esqueça o problema
E tenha imaginação que tudo ficará bem melhor
Como eu
Então
Um milhão de beijos para todas as crianças do Brasil

Amanda Freitas, 10 anos

Amanda, que você continue colocando todos os seus sentimentos para escrever cada vez mais histórias e poemas lindos como esse.
Obrigada e mande quantos outros você quiser, tá?
Um beijo.

4 comentários para “A Rua”

  1. Heitor disse:

    Oi, Stela. Já tinha entrado no seu site e no seu blog quando saiu aquela matéria da revista que fala deles e também do meu blog, o Blog do Le-Heitor. Fiquei muito feliz com o comentário que você deixou lá no meu blog. Eu respondi. Gostei muito do seu site! Tem tanta coisa legal pra ler. Até histórias a gente pode criar e contar aqui. Adorei esse poema da Amanda. Ele me lembrou uma coisa que às vezes acontece comigo. Tem dia que eu estou meio triste, daí eu leio um livro e o meu dia fica legal. Bjs.

  2. O Pequeno Leitor disse:

    Oi Heitor, fico feliz que vc tenha curtido O Pequeno Leitor e também fico feliz de ver que seu blog está indo bem.
    Adorei a sua idéia.
    Espero que os apaixonados por livros continuem entrando em contato cada vez mais.
    Vamos nos falando. Bjs, stela.

  3. aline disse:

    QUEM ER ESEEE MENINOP STELA

  4. O Pequeno Leitor disse:

    Oi Aline, de que menino você está falando? De quem ilustrou o poema A Rua? Se for isso, esse menino é meu filho. bjs

Deixe um comentário