28 de janeiro de 2010

Muita história pra contar

 O segundo passo do trabalho social que eu desenvolvo no Jaguaré tem o objetivo de estimular a produção de histórias criadas pelas próprias crianças. Percebi que fazer com que cada um escrevesse sua própria história seria exigir demais das crianças, já que elas tem idades diferentes, portanto, dificuldades diferentes também.

No primeiro ano, enquanto era só leitura, eu trabalhava com 33 crianças. Neste segundo ano, como o trabalho seria mais focado na criação de histórias, tive que restringir o número de alunos e resolvi trabalhar com 10 crianças: 5 meninas e 5 meninos.

Funciona da seguinte forma: eu escrevo o começo de uma história e paro num momento chave onde ela poderia se desenrolar de várias maneiras. Daí em diante cada criança vai dando uma idéia, eu vou anotando tudo e  ajudando a conduzir o raciocínio delas  para que a história não se perca. Depois coloco tudo o que eles criaram numa narrativa. Na semana seguinte levo a história pronta, leio e eles começam ensaiar a peça pra mostrar pro resto da classe. 

Às vezes trabalho com todas as crianças e às vezes separo os meninos das meninas, porque saem histórias bem diferentes. O resultado final é sempre de muito orgulho da parte deles e da minha também. 

A idéia é mudar o grupo a cada semestre, porque as outras crianças que participam indiretamente assistindo, também querem a oportunidade de ter o que contar. Isso já é um sinal bem positivo.

Vou colocar aqui uma das histórias que os meninos criaram e também uma foto deles.

O Sucessor de Castel Rock

Deixe um comentário